O Futebol e o “Novo” Mineirão como Atrações Turísticas de Belo Horizonte-MG

Erick Alan Moreira Ferreira, Luciano Pereira da Silva

Resumo


Este trabalho teve como objetivo geral pesquisar a prática do turismo futebolístico em Belo Horizonte-MG. Investigou-se, especificamente, o perfil socioeconômico dos torcedores viajantes que frequentam o “novo” Mineirão durante a temporada regular do futebol brasileiro, a composição do grupo de viagem, a atratividade turística exercida pelo estádio, a assiduidade do torcedor, o consumo turístico agregado à vivência futebolística e as barreiras que impedem o torcedor a vivenciar com mais frequência esta prática de lazer. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi o questionário e foram aplicados aos torcedores em dias de jogos realizados no Mineirão, nas áreas internas e externas do estádio. Para poder participar da pesquisa, o torcedor deveria ter mais de dezoito anos de idade e não possuir moradia fixa na cidade de Belo Horizonte. Identificou-se que o perfil socioeconômico do torcedor viajante apresenta características particulares condizentes com este tipo de público, que se define, predominantemente, como casado, adulto e com nível elevado em relação à formação escolar, e, ainda, em consonância com o cenário de mercantilização do futebol brasileiro, grande parte já se tornou sócio-torcedor e a minoria faz parte de torcida organizada. Os valores intrínsecos ao “novo” Mineirão são fatores que os motivam a querer frequentá-lo. No que se refere ao consumo turístico, a minoria dos torcedores viajantes realizou outros tipos de atividades além da vivência futebolística. Portanto, tanto pelas intervenções ocorridas na paisagem urbana da cidade, que a constituíram como espaço turístico, quanto pelo fluxo turístico proveniente da demanda futebolística, acredita-se que o futebol possa ser pensado, para além da dimensão esportiva, como uma atração turística capaz de fomentar o turismo na localidade.

 


Palavras-chave


Futebol; Belo Horizonte; Estádio; “Novo” Mineirão; Turismo

Referências


Allan, G. et al. (2207). The economic impact of regular season sporting competitions: the Glasgow Old Firm football spectators as sports tourists. Journal of Sport & Tourism, 12(2), 1-68.

Andrade, J. V. (1999). Turismo: fundamentos e dimensões. São Paulo: Ática.

Arruda, M. J. (2009). O estádio na cidade contemporânea. (Dissertação de Mestrado). Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Assis, M. C. L. & Capanema, L. M. (2009). A gestão do patrimônio no caso da Pampulha e a necessidade de um planejamento turístico integrado e sistêmico. Fórum Patrimônio: ambiente construído e patrimônio sustentável, 3 (2), 15-35.

Barreto, T. V. & Nascimento, C. (2011). Os espaços físicos e o habitus dos torcedores brasileiros em estádio de futebol: o que pode mudar com a adoção do “padrão FIFA‟ para a Copa de 2014. Anais ANPOCS, Caxambú, MG, Brasil, 35.

Belo Horizonte (2014). Cadernos de dados 2014. Observatório do Turismo. Publicação da Belotur sobre indicadores de turismo em Belo Horizonte.

Belo Horizonte (2017). Cadernos de dados 2017. Observatório do Turismo. Publicação da Belotur sobre indicadores de turismo em Belo Horizonte.

Bessa, A. S. M. & Álvares, L. M. C. (2010). O turismo como agente de transformações socioespaciais do território da Pampulha: de 1940 aos dias atuais. Observatório de Inovação do Turismo: Revista Acadêmica, 5 (2), 1-19.

Brasil. (2014). Matriz de Responsabilidades. Portal da Copa: site do governo federal brasileiro sobre a Copa do Mundo FIFA 2014.

Campos, P. A. F. (2016). As formas de uso e apropriação do estádio Mineirão após reforma. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Campos, P. A. F. & Amaral, S. C. F. (2013). A copa do mundo de 2014 e o (novo) Mineirão. Revista Rua, 19(1), 40-56.

Campos, P. A. F. & Silva, S. R. (2013). O futebol como instrumento para as transformações urbanas em Belo Horizonte/MG. Anais XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13.

Carneiro, R. A. (2000). Identificação do comportamento do turista de eventos esportivos a partir de uma análise de critérios para avaliação dos serviços turísticos na cidade de Maringá. 2000. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Carvalho, P. G. & Lourenço, R. (2008). Turismo de prática desportiva: um segmento do mercado do turismo desportivo. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, 9(2), 122-132.

Cooper, C. et al. (2007). Turismo: princípios e práticas. (3a. ed.) Porto Alegre: Bookman.

Damo, A. S. (2007). A dinâmica de gênero nos jogos de futebol a partir de uma etnografia. Revista Gênero, 7 (2), 135-150.

Damo, A. S. (2012). O desejo, o direito e o dever: a trama que trouxe a Copa ao Brasil. Movimento, 18(2), 41-85.

Damo, A. S. & Oliven, R. G. (2013). O Brasil no horizonte dos megaeventos esportivos de 2014 e 2016: sua cara, seus sócios e seus negócios. Horizontes Antropológicos, 19(40), 19-63.

Dencker, A. F (1998). Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. (5. ed.) São Paulo: Futura.

Erdogru, B. B. & Yazici, H. N. T. (2013). Advantages af football tourism within Framework of Sustainable Tourism (model study, a Mediterranean City, Antalya). International Journal of Trade, Economics and Finance, 4 (6), 372-375.

Fagundes, A. F. A. & Veiga, R. T. (2013). Fatores que influenciam a satisfação dos torcedores na ida aos estádios de futebol no Brasil e a sua intenção de retorno. Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração – ENANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 37.

Ferreira, E. A. M; Campos, P. A. F & Costa, T. C. (2018). Estudos do futebol em perspectiva: interdisciplinaridade e produção do conhecimento. O estádio como equipamento de lazer na/da cidade. Belo Horizonte: São Jerônimo.

Fundação Getúlio Vargas (2014). Pesquisa do ministério do turismo revela perfil do turista brasileira durante a Copa. Pesquisa realizada pelo Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas.

Gibson, H. J. (1998). Sport tourism: a critical analysis of research. Sport Management review, 1, 45-76.

Gibson, H. J. et al. (2003). Small-scale event sport tourism: fans as tourists. Tourism Management, 6, 181-190.

Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gomes, C. L. et al. (2014). Lazer, megaeventos esportivos e ações de infraestrutura relacionadas à Copa do Mundo de 2014 em Belo Horizonte. Coletânea do Congresso Brasileiro de Estudos do Lazer e do Seminário “O Lazer em Debate”, Belo Horizonte, MG, Brasil, 1, 15.

Hall, C, M. (1992). Adventure, sport and health tourism. In: Weiler, B. & Hall, C. M. Special interest tourism. (pp. 141-158). London: Belhaven Press.

Higham, J. & HINCH, T. (2001). Tourism, sport and seasons: the challenges and potential of overcoming seasonality in the sport and tourism sectors. Tourism Management, 1, 1-11.

Higham, J. & Hinch, T. (2009). Sport and tourism: globalization, mobility and identity. Oxford: BH.

Horta, N. M. (2009). Patrimônio histórico, cultural e turístico de Belo Horizonte: incentivo à implantação do “turismo de cidade”. (Dissertação de Mestrado).Universidade de Brasília-UNB, Brasília, DF, Brasil.

Ignarra, L. R. (2001). Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira.

Koc, E. (2005). New product development in the Turkish market: the case of football tourism. Journal of Sport Tourism, 10(3), 165-173.

Kurtzman, J. (2005). Sport Tourism Categories. Journal of Sport Tourism, 10(1), 15-20.

Kurtzman, J. & Zauhar, J. (2003). A wave in time: the sport tourism phenomena. Journal of Sport Tourism, 8(1), 35-47.

Lage, B. H. G. & Milone, P. C. (2000). Turismo: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Lages, C. E. D. M. (2012). A Copa de 2014 na capital mineira e relações com as políticas públicas de esporte e lazer: estudo a partir de projetos que compõem o Planejamento Estratégico Integrado do Estado de Minas Gerais e da Prefeitura de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Estudos do Lazer) – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 211 p.

Levin, J. (1987). Estatística aplicada a Ciências Humanas. (2. ed.) São Paulo: Pearson.

Lohmann, G. & Panosso, A. N. (2008). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Marconi, M. A. & Lakatos. (2009). E. M. Metodologia de trabalho científico. São Paulo: Atlas.

Mascarenhas, G. (2008) O ideário urbanístico em torno do olimpismo. Barcelona (1992) e Rio de Janeiro (2007): os limites de uma apropriação. In: Pereira, E. M. (org.). Planejamento Urbano no Brasil: conceitos, diálogos e práticas. (pp. 9-313). Chapecó: Argos.

Organização Mundial do Turismo - OMT (1995). Guía práctica para el desarrollo y uso de indicadores de turismo sostenible.

Paz, S. M. (2006). O futebol como patrimônio cultural do Brasil: estudo exploratório sobre possibilidades de incentivos ao turismo e ao lazer. (Tese de Doutorado).Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo-USP, São Paulo, SP. Brasil.

Pereira, J. A. O. (2003). Futebol, de esporte amador a negócio de entretenimento e lazer em uma sociedade midiatizada. (Dissertação de Mestrado). Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia-UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Pereira, P. C. (2004). Mineirão em cena: palco de sociabilidades e imagens. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais-PUC, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pigeassou. C. (2004). Contribution to the definition of Sport tourism. Journal of Sport Tourism, 9(3), 287-289.

Pinheiro, P. M. S. (2012). Planejamento e ações para o desenvolvimento do turismo no ambiente do futebol: um estudo do Grêmio e do Internacional de Porto Alegre. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, SC, Brasil.

Raatikainen, M. (2003). Football and tourism to England: reasons why finnish fans travel. 2003. (Monografia de Graduação). Programa de Licenciatura em Turismo, Laurea University of Applied Sciences.

Romera, L. A. & Reis, H. H. B. (2009). O uso de álcool, futebol e torcedores jovens. Motriz, 15(13), 541-551.

Sánchez, F. (2003). A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Ed. Argos.

Santos, R. A. & Souza, N. S. (2012). Eventos esportivos: definição de mercado e perspectivas de atuação. Revista Eletrônica Científica de Turismo, 9(16), 1-8.

Standeven, J. & De Knop, P. (1999). Sport tourism. Leeds: Human Kinetics.

Tikander, J. (2010). Traveller and identities of the finnish football fans. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Ciências do Esporte, Universidade de Jyvaskila.

Toledo, L. H. (1996). Torcidas organizadas de futebol. Campinas: Anpocs.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.