A Produção do Conhecimento sobre Políticas Públicas para o Esporte e Lazer no Brasil: Uma Análise dos Pesquisadores e Instituições

Jeferson Roberto Rojo, Fernando Marinho Mezzadri, Marcelo Moraes e Silva

Resumo


Este estudo teve como objetivo principal mapear a produção do conhecimento sobre Políticas Públicas de Esporte e Lazer, publicada em língua portuguesa em periódicos brasileiros, entre os anos de 2013 a 2016. As buscas foram feitas nas seguintes bases de dados: Lilacs, Medline, Scielo e Portal de Periódicos da Capes com a utilização dos seguintes descritores: “Política Pública Esporte”, “Sport Policy”, “Política Pública Lazer” e “Leisure Policy”, além de 10 revistas científicas da área da Educação Física. O levantamento apontou que a produção somou 85 artigos, distribuídos em 14 periódicos científicos. Foi observada a existência de redes de colaboração entre autores, com grande atuação de pesquisadores vinculados a UEM e UFPR. Nestas instituições encontram-se grupos de referência na discussão sobre a temática e a colaboração é marcada principalmente pela relação orientador/orientado. A título de conclusão aponta-se que a produção sobre o tema teve um salto tanto quantitativo como qualitativo, considerando os meios de avaliação brasileiros, se comparada com períodos anteriores.


Palavras-chave


Produção do Conhecimento; Políticas Públicas; Esporte; Lazer

Referências


Amaral, S. C. F., Ribeiro, O. C. F., & Silva, D. S. (2014). Produção científico-acadêmica em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil. Motrivivência, 26(42), 27-40.

Balancieri, R., Bovo, A. B., Kern, V. M., Pacheco, R. D. S., & Barcia, R. M. (2005). A análise de redes de colaboração científica sob as novas tecnologias de informação e comunicação: um estudo na Plataforma Lattes. Ciência da informação, 34(1), 64-77.

Frey, K. (2000) .Políticas Públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. 21,211-259.

Hungaro, E., Oliveira, B. A. D., Custódio, M. L., & Damasceno, L. (2009). Balanço inicial da produção do GTT de políticas públicas do CBCE (1997-2005): avanços, ausências e perspectivas. Cultura, educação, lazer e esporte: fundamentos, balanços e anotações críticas, 1, 93-124.

Isayama, H. F., & de Melo, V. A. (2014). Licere: uma revista brasileira de lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(4), 773-779.

Lazzarotti Filho, A. et al (2012). Modus operandi da produção científica da EF: uma análise das revistas e suas veiculações. Revista da Educação Física/UEM, 23, 1-14.

Linhales, M. A., & Pereira Filho, J. R. (1999). Intervenção, conhecimento e mudança: a Educação Física, o esporte e o lazer nas políticas públicas. Goellner, SV Educação Física/Ciências do Esporte: intervenção e conhecimento. Campinas, SP: Autores Associados, 87-106.

Malina, A et al. (2015). O Estado da arte no referencial teórico dos trabalhos do GTT Políticas Públicas em Esporte e Lazer do CBCE. In: Rechia, S. A. et al. (Orgs.). Dilemas e Desafios da Pós-Graduação em Educação Física. Unijuí: Editora Unijuí, 1, 517-540.

Monteiro, R. V., Mourão, L., & Votre, S. J. (2012). Produção científica sobre políticas públicas na educação física: abordagem sobre gênero e raça. Journal of Physical Education, 23(1), 141-153.

Rigo, L. C., Ribeiro, G. M., & Hallal, P. C. (2012). Unidade na diversidade: desafios para a Educação Física no século XXI. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 16(4), 339-345.

Rojo, J. R. et al. (2016). Resenha: Políticas Públicas e Esporte. Pensar a Prática, 19(1), 256-259.

Rosa, S., & Leta, J. (2011). Tendências atuais da pesquisa brasileira em Educação Física. Parte 2: a heterogeneidade epistemológica nos programas de pós-graduação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 25(1), 7-18.

Rossoni, L., Hocayen-da-Silva, A. J., & Júnior, I. F. (2008). Aspectos estruturais da cooperação entre pesquisadores no campo de administração pública e gestão social: análise das redes entre instituições no Brasil. Revista de Administração Pública, 42(6), 1041-1067.

Pereira da Silva, J. V., Gonçalves-Silva, L. L., & Wey Moreira, W. (2014). Produtivismo na pós-graduação. Nada é tão ruim, que não possa piorar. É chegada a vez dos orientandos!. Movimento, 20(4), 1423-1445.

Souza, C. (2006). Políticas Públicas: uma revisão da literatura1. Sociologias, 8(16), 20-45.

Souza, C. (2007). Estado da arte da pesquisa em políticas públicas. In: Hochman, G., Arretche, M., & Marques, E. Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 65-86.

Souza, D. L., Moraes, M., & Moreira, T. S. O PERFIL DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA ONLINE EM PORTUGUÊS RELACIONADA ÀS MODALIDADES OLÍMPICAS E PARALÍMPICAS. Movimento (ESEFID/UFRGS), 22(4), 1105-1120.

Starepravo, F. A. (2011). Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: aproximações, intersecções, rupturas e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e científico/acadêmico.Tese (Doutorado), Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Starepravo, F. A. (2013). Esporte, Política e Ciência: a produção científica sobre políticas públicas de esporte e lazer no Brasil. Editora CRV.

Tani, G. (2014). Editoração de periódicos em educação física/ciências do esporte: dificuldades e desafios. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(4), 715-722.

Tavares, O. (2015). Desafios e Dilemas da pós-graduação em Educação Física: os estudos socioculturais. In: Rechia, Simone Aparecida. et al. (orgs,). Dilemas e Desafios da Pós-Graduação em Educação Física. Ijuí: Ed. UNIJUÌ, 219-234.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.