Educação Olímpica para Quê? Educação Olímpica para Quem? Representações e Práticas para uma Pedagogia Crítica do Olimpismo em Tópicos Especiais – O Doping entre Escolares

Marta Correa Gomes, Leonardo José Mataruna dos Santos, Paulo Rodrigo Pedroso da Silva

Resumo


Há mais de uma década, temos demonstrado a importância de se discutir temas relacionados ao esporte, em especial ao Esporte Olímpico, de forma crítico-reflexiva nas escolas e em programas esportivos. Frente à participação do Brasil como sede de Megaeventos esportivos, essa necessidade torna-se prioridade. Entretanto, ainda observamos certa resistência por parte da comunidade de docentes da Educação Física em inserir tais temáticas em suas discussões. Este artigo busca problematizar a forma como a Educação Olímpica é apresentada nos materiais didáticos disponíveis, debatendo a persistência de propostas desfocadas de discussões que promovam o pensamento crítico-emancipatório das juventudes com análise específica da questão do doping entre escolares. Observa-se que o doping, neste momento, é uma realidade alarmante até mesmo entre escolares brasileiros e faz-se necessária uma discussão sobre a relativização social da perspectiva do desvio em atletas usuários de doping como reflexo e reforço de uma cultura que identifica no corpo atlético os padrões hegemônicos de estética, de saúde, de disciplina, logo, de maior capital corporal, dominância e status no campo social, como fruto de uma visão biológica-funcional de saúde. Frente às evidências, é possível defender a importância de maiores investimentos em estudos e intervenções que venham a discutir os aspectos da Educação do Olimpismo de forma mais ampla, englobando temáticas diversificadas – como o doping, a fim de promover uma educação emancipadora e concatenada com a perspectiva holística apoiada pelo Barão de Coubertin.


Palavras-chave


Educação Olímpica; Educação Física; Pedagogia Crítica; Doping.

Referências


Abreu, N. G. (1999). Multicultural Responses to Olympism - An Ethnographic Research in Ancient Olympia, Greece. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, Brasil.

Araújo J. P. (2003). O Uso de Esteróides Androgênicos Anabolizantes entre Estudantes do Ensino Médio no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Católica de Brasília, Brasília, Brasil.

Araújo L. R., Andreolo J., Silva M. S. (2002). Utilização de suplemento alimentar e anabolizantes por praticantes de musculação nas academias de Goiânia – GO. Rev. Bras. Ciên. Mov. 10 (3): 13-8.

Azevedo, J. P. M., Gomes, M. C. (2010). Competição e cooperação: tabu no esporte escolar? 2010. Trabalho de conclusão de curso. Licenciatura e Bacharelado em Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, Brasil.

Bahrke, M. S., Yesalis, C. E., Brower, K. J. (1998). Anabolic-Androgenic Steroid Abuse And Performance-Enhancing Drugs Among Adolescents. Child Adolesc Phychiatr Clin N Am. 7 (4): 821-838.

Binder, D. L. (2000). Be a Champion in Life!! Athens: Foundation of Olympic and Sport Education.

______. (2005). Teaching Olympism is schools: Olympic education as a focus on values educative. university lectures on the Olympics. Bellaterra: Centre d’Estudis Olímpics (UAB). International Chair in Olympism (IOC-UAB). Disponível em: . Acesso: 02 mai. 2012.

Bracht, V. (1992). Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister.

______. (2011). Dilemas no cotidiano da Educação Física escolar: entre o desinvestimento e a inovação pedagógica. Educação Física escolar, dilemas e práticas. Salto para o Futuro. Ano XXI, Bol. 12, p. 14-20.

______. (2002). Esporte, história e cultura. In: Proni, M.; Lucena, R. Esporte, história e sociedade. Campinas, SP: Autores Associados.

Calfee, R., Fadale, P. (2006). Popular Ergogenic Drugs and Supplements in Young Athletes. Pediatrics, 117 (3): 577-589.

Castellani Filho, L. (1988). Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus.

Culpan, I. (2007). Olympic education within physical education: Changing the pedagogy. Proceedings of the International Forum on Beijing Olympic Education. Beijing, China: Humanistic Olympic Studies Centre, Renmin University. Disponível em: http://www.olympicstudies.canterbury.ac.nz/documentos/china%20critical%20.pdf. Acesso: 05 mai. 2012.

_____. (2010). The delivery of Olympic education within a physical education context drawing on a critical pedagogy. International Journal of Sport and Health Science, 8: 67-76. Disponível em: https://www.jstage.jst. go.jp/article/ijshs/8/0/8_20090028/_article. Acesso: 02 mai. 2012.

DaCosta, L. (2006). A never ending story: the phylosophical controversy over Olimpism. Journal of the philosophy of Sport, 33: 157-173.

Doll-Tepper, G. (2011). The relevance of Olympic education in today’s societies, countries and school programmes. (Paper written in the framework of the IOC’s OSC Postgraduate Grant Selection Committee meeting. Disponível em: . Acesso: 02 mai. 2012.

Faigenbaum, A. D., Zaichowsky, L. D., Gardner, D. E., Micheli, L. J. (1998). Anabolic Steroid Use by Male and Female Middle School Students. Pediatrics, 101: 1-6.

Carline, E. L. A. et al. VI Levantamento Nacional sobre o consumo de Drogas Psicoativas entre estudantes de Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privadas de 27 Capitais Brasileiras. Disponível em: < http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/biblioteca/documentos/Publicacoes/328890.pdf >. Acesso: 10 mar. 2014.

Goldberg, L., MacKinnon D.P., Elliot D.L., Moe E.L., Clarke G., Cheong J. (2000). The adolescents training and learning to avoid steroids program: preventing drug use and promoting health behaviors. Arch Pediatr Adolesc Med, 154: 332-8.

Gomes, M. C. (2002). Olympic Education: Sameness versus Otherness in Multicultural Approaches. In: DaCosta, L. Olympic Studies - Current Intellectual Crossroads. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho.

______. (2009). Esporte, Olimpismo e juventude: em busca do protagonismo social. Juventude.br. Centro de estudos e memória da Juventude – CEMJ. São Paulo, 4 (8): 26-31.

______. (2011). Megaeventos esportivos, movimento olímpico e mídia: o Esporte saltando os muros da educação física escolar. Salto para o Futuro. Educação Física escolar, dilemas e práticas. Ano XXI, Bol. 12, p. 29-39.

Gomes, M. C.; Turini, M. (2004). Esporte, ética e Intervenção no Campo da Educação Física. In: Tojal, J. B. (org.). Ética profissional na Educação Física. Rio de Janeiro: Shape.

Green, G.A., Uryasz, F.D., Petr, T.A., Bray, C.D. (2001). NCAA Study of Substancy Use and Abuse Habits of College Student-Athletes. Clin J Sport Med, 11: 51-6.

Internacional Olympic Committe. (1994). Olympic Charter. Lausanne: IOC.

______. (2010). Teaching Values: An Olympic education tollkit. Lausanne: IOC. Disponível em: http://www.olympic.org/educators-teachers-tool-kit. Acesso: 03 mai. 2012.

Kohe, G. Z. (2010). Disrupting the rhetoric of the rings: a critique of Olympic idealism in physical education. Sport, Education an Society, 15 (4): 479-494.

Luz, M. T. (2007). Novos saberes e práticas em saúde coletiva: estudos sobre racionalidades médicas e atividades corporais. 3 ed. São Paulo: Hucitec.

Mataruna, L. (2010). Megaeventos esportivos no Brasil: repensando as políticas públicas de participação para a inclusão. In: Ministério do Esporte; Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e Lazer. (Org.). Coletânea de Premiados de 2010 do Prêmio Brasil de Esporte e Lazer de inclusão social. Brasília: Ed. Ideal.

______. (2008). Percepção dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 por especialistas internacionais em estudos Olímpicos. In: Rodrigues, R. P., Pinto, L. M. M., Terra, R., DaCosta, L. (Org.). Legados de Megaeventos Esportivos. 1 ed. Brasília: Ministério do Esporte.

Miragaya, A. (2009). E.O: O legado de Coubertin. In: Reppold Filho, A. ; Pinto, L.; Rodrigues, R. P.; Engelman, S. Olimpismo e Educação Olímpica no Brasil. Porto Alegre, Editora da UFGRS.

Morin, E., Prigodini, I. (1996). A sociedade em busca de valores. Para fugir à alternativa entre o cepticismo e o Dogmatismo. Lisboa: Instituto Piaget.

Muller, N. (2004). Olympic education: university lecture on the Olympics. Barcelona: Centre d’Estudis olímpics (UAB). International Chair in Olympism (IOC-UAB). Disponível em: Acesso: 02 mai. 2012.

National Institute on Drug Abuse. Disponível em: http://www.drugabuse.gov/. Acesso: 01 mar. 2012.

Nilsson, S., Baigi, A., Marklund, B., Fridlund, B. (2001). The prevalence of the use of androgenic anabolic steroids by adolescents in a county side of Sweden. Eur J Public Health, 11 (2): 195-7.

Oliveira, M. A. T. (2004). Educação Física Escolar e ditadura militar no Brasil (1968-1984): entre a adesão e a resistência. Rev Bras Cienc Esporte. 25 (2): 9-20.

Palma, A., et al. (2007). Comportamentos de risco e vulnerabilidade entre estudantes de Educação Física. Rev Bras Epidemiol, 10 (1): 117-26.

Parry, J. (2007) Fair Play and the logic of sport. Fiep Bulletin, 2007/2008. p.23-28.

Petersen-Wagner, R; Mataruna. L. (2014) Cosmopolitan Sport Cities. Coventry University. (personal communication, March 17, 2014). Unpublished.

Portal G1. Cielo e mais três caem no antidoping, mas sofrem apenas advertência. Publicado em 01 set. 2011. Disponível em:

Portal R7. Festa de 7 de Setembro em Brasília terá abertura com Cesar Cielo: Medalhista olímpico abrirá o desfile oficial levando o fogo simbólico da Pátria. Publicado em 07 set. 2011. Disponível em: http://www.noticias.r7.com/brasil/noticias/festa-de-7-de-setembro-em-brasilia-tera-abertura-com-cesar-cielo-20110907.html. Acesso: 28 mar. 2012.

Portal UOL. Cielo é eleito o melhor atleta de 2011 pelo COB e se emociona; Murer vence no feminino. Publicado em 19 dez. 2011. Disponível em: http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2011/12/19/cielo-e-murer-sao-eleitos-os-melhores-atletas-de-2011-no-premio-brasil-olimpico.htm. Acesso: 28 mar. 2012.

Sabino, C. (2002). Anabolizantes: drogas de Apolo. In: Goldenberg, M. et al. Nu e vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record.

Secretaria Nacional Antidrogas. Disponível em: http://www.obid. senad.gov.br/portais/OBID/index.php . Acesso: 01 mar. 2012.

Silva, L. S. M. F.; Moreau, R. L. M. (2003). Uso de esteróides anabólicos androgênicos por praticantes de musculação de grandes academias da cidade de São Paulo. Rev Bras Cienc Farm, 39 (3): 327-33.

Silva, P.R.P. et al. (2007a). Prevalência do Uso Referido de Doping e Outras Substâncias por Crianças e Adolescentes Participantes das Olimpíadas Escolares Nacionais. In: Congresso Médico dos XV Jogos Pan-Americanos Rio 2007. Rio de Janeiro: REDPRINT.

Silva, P.R.P. et al. (2007b). Prevalência do uso de agentes anabólicos em praticantes de musculação de Porto Alegre. Arq Bras Endocrinol Metab, 51 (1): 104-10.

Silva, P.R.P. et al. (2010). Odds ratio for use of anabolic steroids and other substances in fitness training gyms. Braz Jour of Sport and Exerc Research, 1 (2): 122-126.

Soares, A. J. G.; Góis, E., Jr. (2011). Educação física e educação. Salto para o Futuro. Educação Física escolar, dilemas e práticas. Ano XXI, Bol. 12, p. 4-13.

Tavares, O. et al. (2005). Estudos Olímpicos, Academia Olímpica Brasileira, Educação Olímpica. In: DaCosta, L. (org.). Atlas do esporte, educação Física, atividades físicas e de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

Vaz, A. (2001). Técnica, Esporte, Rendimento. Movimento (ESEF/UFRGS), vol. 7. Disponível em: . Acesso: 06 mai. 2012.

______. (1999). Treinar o corpo, dominar a natureza: notas para uma análise do esporte com base no treinamento corporal. Cadernos CEDES , Campinas, 48: 89-108.

Wacker, M. F. N. (2009). Educação Olímpica, Olimpismo e euritmia. In: Reppold Filho, A., Pinto, L., Rodrigues, R. P., Engelman, S. Olimpismo e Educação Olímpica no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFGRS.

World Anti-Doping Agency. Disponível em: http://wada-ama.org. Acesso: 01 mar. 2012.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.