Identificação e Diferença na Construção de Identidades Culturais de Torcedores Rivais dos Três Grandes Clubes da Cidade do Recife: Entre a Defesa e o Ataque em Interações Sociais Virtuais

Bruno Rafael Torres Ferreira, André Luiz Maranhão de Souza Leão, Fernando Gomes de Paiva Júnior

Resumo


Visando identificar como os mecanismos de identificação e a diferença são usados na construção das identidades de torcedores de clubes de futebol em interações sociais, principalmente a partir da presença de torcedores rivais e de como estes são vistos e significados pelo outro, realizamos a presente pesquisa qualitativa, dentro de uma tradição interpretativista. Para tal, fizemos uma netnografia da comunicação, que nos permitiu acessar e analisar interações sociais de torcedores dos três principais clubes da cidade de Recife: Sport, Náutico e Santa Cruz. A coleta de dados se deu na rede social Facebook, nos perfis das principais torcidas destes clubes (SportNet, TimbuNet e CoralNet), bem como no perfil de um dos autores. Localizamos como processo de identificação o modo como estes torcedores direcionam suas participações em direção ao grupo social ao qual pertencem, a partir de suas demonstrações de incentivo, de exaltação e de defesa de seus interesses, em relação ao clube para o qual torcem, ao mesmo tempo em que seus rivais são ridicularizados e insultados. O conceito de diferença, por sua vez, esteve presente na constituição das “fronteiras” que delimitam a identidade dos torcedores nesta dinâmica.

Palavras-chave


Torcedores de futebol; identificação; diferença; identidade; interações sociais virtuais.

Referências


Alves, G. (1978). História do futebol em Pernambuco (1903/1950). Recife: Secretaria de Educação e Cultura.

Barbosa, M. A. (2010). Pós-modernidade: a identidade — real ou virtual?. Revista Direitos Culturais, 5(8), 75-92.

Bradley, J. M. (2006). Sport and the Contestation of Ethnic Identity: Football and Irishness in Scotland. Journal of Ethnic and Migration Studies, 32(7), 1189-1208.

Burity, J. A. (1998). Psicanálise, identificação e a formação de atores coletivos. Trabalhos para discussão - TPD, 82(82), 01-25.

Capraro, A. M. (2004). O Estádio Joaquim Américo - a “Arena da Baixada” - e a Identidade Clubística do Torcedor do Clube Atlético Paranaense. Campos, 5(1), 131-149.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

DaMatta, R. (1994). A antropologia do óbvio: notas em torno do significado social do futebol brasileiro. Revista USP, 22, 10-17.

Denzin, N. K. (1992). Symbolic interactionism and cultural studies: the politics of interpretation. Blackwell Publishes.

Denzin, N. K. , Lincoln, Y. N. (2005). Paradigmatic controversies, contradictions, and emerging confluences. In Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (Ed.). The sage handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications, 163-188.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Freitas, G. K. A., Leão, A. L. M. S. (2012a). A elaboração da face em comunidades virtuais de marca: um estudo de caso sobre uma comunidade virtual de consumidores da Coca-Cola. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 181-201.

Freitas, G. K. A., Leão, A. L. M. S. (2012b). Concepção da netnografia da comunicação: uma abordagem aplicada à pesquisa em administração. Gestão.Org, 10(2), 211-228.

Gaspar, M. A., Morais, D. M. G., Vallada Júnior, A. C., Debia, C. A. (2014). Marketing Esportivo: Um Estudo das Ações Praticadas por Grandes Clubes do Futebol do Brasil. Podium: sport, leisure and tourism review, 3, 12-28.

Gibbons, T. (2011). English national identity and the national football team: the view of contemporary English fans. Soccer & Society, 12(6), 865–879.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (11a ed.). Rio de Janeiro: DP&A.

Hall, S. (2009). Quem precisa de identidade?. In T. T. da Silva (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Helal, R., Amaro, F., Gauzisky, D. (2012). Uma Partida em Imagens: Instagram, Futebol e Materialidades da Comunicação. Logos (Rio de Janeiro. Online), 19, 82-95.

Helal, R., Gordon, C. (2002). A crise do futebol brasileiro: perspectivas para o século XXI. Eco-Pós (UFRJ), 5(1), 37-55.

Hollanda, B. B. B. (2009). Futebol, arte e política: a catarse e seus efeitos na representação do torcedor. Organizações & Sociedade, 16(48), 123-140.

Hymes, D. (1974). Studying the interaction of language and social life. In D. Hymes. Foundations in sociolinguistics: an ethnographic approach (pp. 29-66). Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Kaplan, A. M., Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business Horizons, 53, 59-68.

Kozinets, R. V. (2014). Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso.

Leão, A. L. M. S., Mello, S. C. B. (2007). Apresentando a etnografia da comunicação ao campo da pesquisa em administração. Anais do I Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, Recife, Pernambuco, Brasil.

Leão, A. L. M. S., Mello, S. C. B., Vieira, R. S. G. (2009). O papel da teoria no método de pesquisa em Administração. Revista Organizações em Contexto, 5(10), 1-16.

Paiva, F. G., Jr., Correa, M. I. S., Souza, A. C. R. (2006). A identidade cultural e a articulação de caráter empreendedor na busca por um desenvolvimento local. Resumo dos trabalhos do 30º Encontro Científico de Administração da ANPAD, Salvador, Bahia, Brasil.

Pluri Consultoria (2012a). 1ª Painel Pluri futebol 2011: o valor de jogadores, times e campeonatos. Recuperado em 18, Junho, 2012 de http://www.pluriconsultoria.com.br/relatorios.php.

Pluri Consultoria (2012b). 1ª Pesquisa Pluri sobre o potencial de consumo das torcidas brasileiras. Recuperado em 16, Abril, 2012 de http://www.pluriconsultoria.com.br/relatorios.php.

Pluri Stochos (2013). 1ª pesquisa Pluri Stochos tamanho de torcidas. Recuperado em 25, Agosto, 2013 de http://www.pluriconsultoria.com.br/relatorios.php.

Saville-Troike, M. (2003). The ethnography of communication: an introduction (3a ed.). Malden: Blackwell Publishing.

Silva, T. T. (2009). A produção social da identidade e da diferença. In T. T. da Silva (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Strauss, J., Frost, R. (2012). E-marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Terra (2012). Com "inversão de técnicos", Palmeiras x Grêmio resgata rixa dos anos 90. Recuperado em 25 setembro, 2012 de http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-do-brasil/noticias/0,,OI5794065-EI19690,00-Com+inversao+de+tecnicos+Palmeiras+x+Gremio+resgata+rixa+dos+anos.html.

Tilio, R. C. (2009, Junho). Reflexões acerca do conceito de identidade. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, 8(29), 109-119.

Toledo, L. H. (2010). Torcer: a metafísica do homem comum. Revista de História (USP), 1(163), 175-189.

Vergara, S. C., Caldas, M. P. (2005). Paradigma interprecionista: a busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. RAE, 45, 66-72.

Woodward, K. (2009). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T. T. da Silva (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.